28.10.10

Entrelinhas Entre Números

Fechei meus olhos e contei até 10. Reabri, e você já não estava mais lá. Corri para o quarto, tranquei a porta. Contei as horas para anoitecer, pro sono chegar. Pro sonho chegar.
Nos 30 dias seguintes ingeri 120 comprimidos de fluoxetina, bebi sozinho 6 garrafas de vodka barata, fumei 30 maços de cigarro. Mas eu não fumo. Visitei 2 amigos, que me disseram mais de 50 vezes que tudo ia ficar bem. Não ficou. Contei no calendário: já faziam 75 dias. Calculei a quilometragem para ir do inferno ao céu, rezei para 5 santos. Mas eu não sei rezar. Fiz um pedido para cada uma das 3 estrelas cadentes que vi. Encontrei 10 cartas que você havia me mandado, nelas li exatamente 23 "eu te amo", 5 "quero você sempre comigo" e 2 "eu nunca vou te abandonar". Curiosamente, li 27 "me desculpe".
Olhei novamente no calendário: 118 dias. Era setembro, mês da independência. Contei quantos dias faltavam para o fim do ano, afinal, "ano novo, vida nova". Mentira. Burrice. Bullshit.
Calculei a raiz da minha angústia. A solidão se elevara ao cubo, e dois terço de mim já estavam mortos. - Tentei encontrar a razão; não consegui.
Tenho todos os números, estatísticas e probabilidades.
Mas a única conta que ainda perco é de quantas vezes continuo desejando você aqui.

4 Falaram mais sobre isso:

pâற Gαяdєи disse...

Eu também me perco nessa conta =/

Amanda Dornelles disse...

like it

gabs disse...

me perco sempre na mesma conta.. adorei o blog

Kênnia Méleus disse...

Ah, que texto criativamente lindo!